Give-me. O futuro está aqui ao lado e nós também.

Este serviço iniciou em 2020, mas só agora parte para a conquista do mundo, tendo uma das melhores plataformas de Crowdfunding.

A plataforma é sinónimo de mais de 2 anos de desenvolvimento e milhares de euros investidos, para dotar o nosso promotor e gestor de processos, com ferramentas cruciais para a sua atividade.

O Give-me está preparado para ser automático em 90% das suas funções, o que irá permitir aos utilizadores concentrarem as suas energias exatamente onde são necessários. Na angariação e gestão de campanhas de Crowdfunding.

A plataforma é uma CMS nativa, ou seja, está preparada para receber promotores, gestores e clientes, neste momento, em 10 línguas diferentes, o que abrange uma população na ordem dos 2,5 mil milhões de pessoas. As campanhas podem ficar assim disponíveis não só no país de origem de onde foram criadas, mas em mais de 70 países que comungam das línguas em que a plataforma consegue trabalhar.

Este serviço em 2022 e 2023 vai rumar a alguns países, com a sua implementação, criando-se condições suficientes para poder ser nos próximos 2 anos uma marca de referência no mundo, no que concerne o Crowdfunding.

O que é e como funciona o Crowdfunding

Em uma tradução livre, quer dizer financiamento pela multidão. Ele nada mais é do que uma forma auxiliar de investimento, onde várias pessoas conseguem investir pequenas quantias em dinheiro, apoiando uma causa ou um projeto. Geralmente, quem fizer o crowdfunding acaba investindo em divulgação através da internet para que mais pessoas saibam do que está acontecendo e assim, consigam alcançar a meta estipulada.

O crowdfunding é, se não, uma forma de financiamento colaborativo e que vem revolucionando a forma de arrecadação de dinheiro, viabilizando o lançamento de projetos de causas sociais, projetos pessoais e até lançamentos de Startups.

Ele funciona através de uma mecânica muito simples: o empreendedor, o promotor do projeto, apresenta a ideia ao público, fazendo uma breve descrição sobre o que seriam quais os benefícios que esse projeto traria para a comunidade ou, em caráter pessoal, para ele mesmo. Vale escrever textos ou até mesmo, vídeos que expliquem e conceituem esse projeto.

Depois disso, ele publica a “campanha”, e as pessoas passam a ter acesso à sua história e as suas idealizações, resolvendo por conta próprias se elas resolverão fazer parte desse desafio ou se não colaborarão com o projeto apresentado. Não existe uma quantia mínima para que a pessoa resolva fazer a sua doação. Qualquer quantia é sempre bem-vinda, por isso se chama de financiamento coletivo.

Quando o promotor consegue atingir o nível que pretendia, a empresa que divulgou essa iniciativa recebe uma percentagem (algo que gira em torno de 15%). Caso não atinja, o empreendedor sai sem levar nada do que fora arrecadado, sendo restituído aos apoiantes que doaram à causa, se o sistema escolhido foi o “Tudo ou Nada“, se tiver sido o “Flexível“, o promotor arrecada o valor até ao término da campanha angariado.

Esse financiamento coletivo é utilizado em qualquer mercado, seja ele da saúde, da cultura, solidário, indústrias ou até mesmo tecnológico. Ele não serve, somente, para ONG que precisam de uma forma de investimento alternativa, mas sim, para as empresas que precisam levantar um capital aquisitivo maior e mais alto para investimento num determinado projeto.

Ou seja, o crowdfunding é para todos!

É uma opção para você que deseja fazer com que os projetos saiam do papel e do mundo das ideias, tornando-os ativos e reais, mesmo que precise de um baixo investimento para que isso seja possível. Muitas vezes, aqueles que ajudam através do financiamento coletivo se envolvem no projeto e continuam doando a sua colaboração mensalmente para o projeto.



Deixe uma resposta